18.5.13

ó pátria amada, idolatrada, salve! salve!



Deu no jornal da tarde. O presidente do país Brazil promulgou a nova carta de princípios e vaidades de sua nação. País recente, neo-democrático. Uma minoria opinativa e cansada do julgamento ideológico. Alienação também é um direito severo e garantido por lei:

—Com 14 anos eu já sabia o que era certo e errado, aprendi tudo no colégio americano. Se roubou, tem que ser preso!!!
—Pra que discutir? Não vai mudar nada mesmo.
—Pobre é tudo alienado... Votam no PT, depois querem reclamar da merda que o país tá!

No país Brazil não existe pobreza. Classe média dominante. “Podemos comprar cintos de couro por um pouco mais de um salário mínimo”, afirmam as socialites a imprensa. Aliás, está é a cotação da moeda vigente, um salário mínimo. Inflação? O que é? Uma doença nova do fígado?

Os filhos? Ah, esses jovens são o orgulho do país. Bilíngües, um inglês pra gringo ver. Às vezes erram um “em baixo” quando na verdade, não tem nada no alto em lugar nenhum. A confusão com o “aconteçeu” é uma das campeãs, mas poxa vida, a língua portuguesa é tão difícil com todos os seus tempos verbais e exceções gramaticais (sim, com x e cedilha). Todos belos e padronizados, ai de quem falta na academia um dia sequer, serão consumidos pela consciência estética. Corpo sarado. Lêem pouco, são ativistas em prol da natureza. Há quem diga não compram livros por amor às florestas brasileiras.

O ensino começa logo cedo: a política de ensino para crianças é perfeita e persuasiva. Não há erro nos melhores colégios, melhores lanches, melhores brinquedos. A redoma de vidro parece afugentar a violência, o medo, a insegurança e incerteza. Afugenta a vida adulta. 

Comprar. Parágrafo presente no X artigo da Constituição. Muito. Cidadãos afinados com o governo democrático vigente. compravam tudo que seus olhos gulosos pudessem captar. Compravam a paz e o amor, mas abominavam os hippies cabeludos do país de origem. 

Dilatada de certezas, esta nação recém fundada flutua em círculos, dizem os críticos. Frágil em sua exposição, cansada em seu discurso. Deprimente na sua fluência. O país é trágico, niilista, consumidor e capitalista. Não permite fusões, nem saídas temporárias para o país do qual foram translados. Quase um Estado-nação. Orgulham-se da gringolagem. Alimentada por americanizações falidas, os brazileiros viviam em crise constante.

O país Brazil é baseado em fatos reais.

2 comentários:

  1. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir
  2. Um texto que me retornou á tempos tão vazios de minha vida. Mas acima de tudo,válido pq afnal td é aprendizagem em nossa vida.

    Adorei seu mundinho dadaísta.
    Se tiver tempo passa lá no blog,tem entrevista frequinha

    http://ymaia.blogspot.com.br/2013/09/entrevista-com-joicy-santos.html?showComment=1379978318285#c6480633405735222639

    ResponderExcluir

"a palavra escrita permanece."